No Dia do Beijo, relembre dez grandes músicas brasileiras que versam sobre essa expressão de amor e sensualidade

0
4

♪ MEMÓRIA – Celebrado em 13 de abril, o Dia do Beijo inspira casais a demonstrar publicamente essa forma de expressão do amor romântico e/ou sensual. Na música brasileira, compositores de todos os estilos e segmentos sempre versaram sobre o beijo.
Para comemorar a data, festejada hoje, o Blog do Mauro Ferreira relaciona dez memoráveis músicas brasileiras que abordam o beijo já no título.
♪ Eis, em ordem cronológica, as 10 mais da coluna sobre o beijo:
1. Beija-me (Roberto Martins e Mário Rossi, 1943)
♪ Samba dos compositores Roberto Martins (1909 – 1992) e Mário Rossi (1911 – 1981), Beija-me foi lançado em 1943 pelo cantor carioca Cyro Monteiro (1913 – 1973). A música se tornou um clássico do sambalanço a partir da década de 1960, tendo ganhado gravações memoráveis de Elza Soares (1930 – 2022) e Zeca Pagodinho. Em 2020, Ludmilla adicionou toque de funk pop a Beija-me em gravação feita para a abertura da novela Salve-se quem puder (Globo).
2. Beijinho doce (Nhô Pai, 1945)
♪ Retrato do amor romântico, esse standard sertanejo foi lançado em disco lançado pelas Irmãs Castro, mas ficou para sempre associado às vozes de outra dupla sertaneja, Irmãs Galvão, e também à trajetória da cantora, atriz e acordeonista Adelaide Chiozzo (1931 – 2020), que ajudou a popularizar Beijinho doce em gravação feita em 1951 em dueto com Eliana Macedo (1926 – 1990), parceira das chanchadas.
3. Aquele beijo que te dei (Edson Ribeiro, 1964)
♪ Canção que preparou o terreno para entronizar Roberto Carlos como o rei da juventude a partir de 1965, em gravação feita pelo cantor em 1964 para o volume 14 da coletânea As dez mais, Aquele beijo que te dei ilustra o romantismo tão aliciante quanto pueril do cancioneiro da Jovem Guarda.
4. Beijo na boca (Itamar Assumpção, 1980)
♪ Beijos também podem ser fugazes e roubados por corações levianos. É esse o recado dado por Itamar Assumpção (1949 – 2003) em Beijo na boca, música do primeiro disco do vanguardista compositor paulistano, gravado por Itamar com a banda Isca de Polícia.
5. Eu também quero beijar (Pepeu Gomes, Moraes Moreira e Fausto Nilo, 1981)
♪ Sucesso na voz de Pepeu Gomes em 1981, Eu também quero beijar foi um dos maiores hits da fase tecnopop tropical do artista baiano na primeira metade da década de 1980.
6. Me abraça e me beija (Lazzo Matumbi e Gileno Félix, 1988)
♪ Música do compositor soteropolitano Lazzo Matumbi em parceria com Gileno Félix, o reggae Me abraça e me beija foi lançado em 1988 na voz de Lazzo. Contudo, fora da Bahia, o reggae ficou mais associado a Margareth Menezes, cantora que registrou Me abraça e me beija com o cantor jamaicano Jimmy Cliff em gravação bilíngue feita em português e em inglês – na versão intitulada Kiss me e escrita por Cliff com Dominic Smith – para o álbum Kindala (1991). O reggae permanece como um dos maiores sucessos da música afro-pop-baiana.
7. Beija eu (Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Arto Lindsay, 1991)
♪ Com versos convidativos, Beija eu foi o carro-chefe do segundo álbum de Marisa Monte, Mais, disco de 1991 em que a artista – então celebrada somente como cantora – se apresentou como compositora.
8. Lembrança de um beijo (Accioly Neto, 1994)
♪ Até o cabra mais valente amolece e chora diante da lembrança de um beijo que deixou saudade. É esse o recado dado por Accioly Neto (1950 – 2000) na letra deste grande sucesso do compositor pernambucano, lançado em disco há 30 anos na voz de Fagner em gravação feita pelo cantor para o álbum Caboclo sonhador (1994).
9. Beijo sem (Adriana Calcanhotto, 2009)
♪ Com este belo samba, símbolo do empoderamento feminino, Adriana Calcanhotto insere a mulher sem culpas no mundo de prazeres da Lapa, o efervescente e boêmio bairro carioca. O samba foi feito para Marisa Monte e lançado por Teresa Cristina, com a participação de Marisa, em álbum ao vivo e DVDs gravados em 2009 e editados em 2010.
10. Beijo bom (Bruno Caliman, Rafael Torres e Paula Fernandes, 2018)
♪ Lançada há seis anos pela cantora Paulo Fernandes, Beijo bom merecia ter feito mais sucesso porque a canção reitera a capacidade do compositor Bruno Caliman – gravado por nomes do universo sertanejo como Luan Santana – de criar melodias simples e envolventes. Detalhe: Paula Fernandes é oficialmente creditada como autora da canção, mas a contribuição da artista foi alterar dois versos da letra, como a própria Paula informou em entrevista. Beijo bom merece uma segunda chance e gravação.

Fonte: G1 Entretenimento